segunda-feira, novembro 30, 2009

Defeito ou virtude


Confesso que os mamíferos arrogantes me enternecem.

quinta-feira, novembro 26, 2009

O H1N1 é imortal



Enquanto não classificarmos os vírus como seres vivos não os podemos matar.

Alguém devia levar os vírus a referendo.

quarta-feira, novembro 25, 2009

O essencial é invisível aos olhos

Se há coisa que nunca parece bem é ter mau aspecto. Contudo, ter mau aspecto não é assim tão mau. Além de ser bastante útil para não se ser assaltado, se pensarmos bem até pode ser um elogio. Afinal, quando alguém diz de outro, que está com mau aspecto é porque no fundo sabe que ele poderia estar muito melhor. Ou seja, há uma esperança de ser algo temporário e de se poder ficar com bom aspecto caso se queira. Ora aí está a grande diferença para quando se é simplesmente feio. Esses não têm esperança. Por muito bom aspecto que tenham serão sempre feios. Não têm cura. Claro que há a ilusão de que com umas roupinhas adequadas a coisa melhore. Ou então, que com uns cremes e umas plásticas a coisa disfarce. Porém, a realidade é cada vez mais exigente e os milagres cada vez mais raros. E, por muito que custe dizer, quem nasceu para feio dificilmente o disfarçará e, mais cedo ou mais tarde, será sempre reconhecida a sua real natureza, tal qual acontece nas primeiras lavagens das camisas Ralph Lauren da feira de Carcavelos. Antigamente, segundo dizem, os homens não se queriam bonitos e as mulheres que eram bonitas tinham fama de serem estúpidas. Hoje, num mundo cada vez mais injusto, tudo mudou. Já nem aquela pertinente questão de escolher entre uma gaja bonita e burra ou uma gaja feia e inteligente faz sentido. A distribuição de beleza, ou falta dela, democratizou-se entre burros e inteligentes. Se antes as coisas estavam mal para os pobres, hoje as coisas estão muito mal para os feios. Nunca como agora foi tão triste ser feio. Por isso que deveria haver uma regra que ditasse que os feios fossem melhores pessoas que os bonitos. Ou que as pessoas bonitas fossem invariavelmente pobres, sujas, desdentadas, sei lá. O que me parece injusto é haver tanta gente bonita, rica, inteligente, cheia de saúde e de bom aspecto. Tudo ao mesmo tempo. E o pior é que com esta história da globalização a ideia romântica de haver gostos para tudo está cada vez mais ultrapassada. Agora todos querem ser bonitos como os outros e já nem os feios gostam dos feios - e quando acham que gostam é porque se conformaram e perderam a esperança. Enfim, a vida não está nada fácil. Valha-me ao menos o mau aspecto.

* remake de 2005

segunda-feira, novembro 23, 2009

Má rima

Crianças e faianças.

Por todas as razões.

quinta-feira, novembro 19, 2009

Uns têm mais vida que outros

O número de seres vivos que nos habitam é proporcional ao nosso peso.
Facto que poderia levantar inúmeras questões de interesse deontológico.

Há tanta coisa que podia ir a referendo...

quarta-feira, novembro 18, 2009

Corpos bacterianos

Somos habitados por mais de 1000 espécies de bactérias.
Um total de indivíduos superior a 100 triliões leva a sua vida quotidiana nos nossos interstícios.
Este número ultrapassa largamente as células animais que formam os nossos órgãos - somos 90% bacterianos!

Penso que se a minha consciência de ser se baseasse em factos científicos não voltava a tomar antibióticos.

quinta-feira, novembro 12, 2009

Engenharia

Neste momento possuo dados experimentais que me permitem afirmar que o aparelho urinário dos bebés de brincar que mictam está claramente mal dimensionado!

A bomba não tem pressão suficiente.

quarta-feira, novembro 11, 2009

Amores

Parece lógico para alguns jornalistas que o amor seja química.

Para mim, que sou químico, parece-me mais lógico que o amor seja informação.

segunda-feira, novembro 09, 2009

Agridoce

Comprei um pacote com 4 doses de bebida de cevada Irlandesa para as derrotas do Benfica. Tomei-lhe o gosto a semana passada - parecendo que não, ajuda!


Desconfio que se beber uma de cada vez, estas me chegam para o resto da época. Mas pelo sim pelo não, hoje vou pôr um copo no congelador.

Caros leitores adeptos do Sporting - Não sigam este exemplo!

quarta-feira, novembro 04, 2009

Paternidade e precaridade

Quem toca piano com um miúdo no braço direito não se importa com 3 cordas partidas e a consequente desafinação.

Devia existir uma sociedade de proverbiologia para eu submeter uma proposta:

"Se não podes tocar sem ele, toca com ele"

terça-feira, novembro 03, 2009

Que faço eu...

Em dias como este só há duas opções: Ou nos sentamos ao piano ou fazemos esferas invisíveis.




O meu pequeno ditador autoriza-me a tocar piano, mas só se for com um só braço, pois o outro é para sua excelência assistir ao concerto em primeira mão - literalmente!

As esferas são uma vacina que funciona por inalação; é só cheirá-las e estamos vacinados contra uma doença de cavalos!

segunda-feira, novembro 02, 2009

Não é um negócio...

Um papel amarelo no carro acusou-me de estar a "estacionar a vida dos outros".

Moralizar uma multa de estacionamento desta forma é parvo. Primeiro porque se tivesse posto mais 1 euro na máquina já podia estacionar a vida dos outros mais uma hora, mas sobretudo porque o agente não se importou (e não se espera que se importe) que houvesse naquela rua todos os outros lugares vagos.

Não percebo bem a acusação mas fiquei deprimido na mesma!