quinta-feira, setembro 28, 2006

Quero falar sobre isto

O meu piano tem duas cordas partidas e as outras desafinaram.
Acho que em breve vou precisar de um terapeuta...

Porque é que eles me fazem isto?
Não lhes bastava atirar as torres ao chão para financiar a guerra no médio-oriente?
Não lhes bastava registarem todas as nossas conversas e extraírem-nos o ADN com melgas artificiais para nos clonarem a todos e retirarem os órgãos internos para serem comercializados nas feiras intergalácticas do Entroncamento?

E agora? Como é que eu vou acelerar o ar até à frequência certa, COM UM PIANO SEM CORDAS?

terça-feira, setembro 26, 2006

O sorriso dos terapeutas

Acredito que todos os terapeutas da psique desenvolvem o seu trabalho com um permanente sorriso interior, acho até que se os observarmos continuamente podemos apanhá-los a sorrir num momento de distracção.

Acho que o sorriso do psicólogo possui aquela pitada de sadismo que é característica dos agentes de autoridade, aquela satisfação interior por arrastar mais um de volta até à realidade.
O sorriso do psiquiatra é o de um “bon vivant” complacente. É aquele sorriso de quem dá uma palmadinha nas costas e diz – isso é normal; entretanto, mete-nos uma caixa de Prosac no bolso como um parente que nos dá 5€ para tomar uma cerveja.

domingo, setembro 24, 2006

Lógica pura

Aplicando sucessivamente o princípio da causalidade, deduz-se a seguinte conclusão:

O psicólogo é o consumidor final da Floribella.

sábado, setembro 23, 2006

Leitura do dia (Tiago 4:1-17)

Donde vêm as guerras e contendas entre vós? Porventura não vêm disto, dos vossos deleites, que nos vossos membros guerreiam?
Cobiçais e nada tendes; logo matais. Invejais, e não podeis alcançar; logo combateis e fazeis guerras. Nada tendes, porque não pedis.
Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites.
Infiéis, não sabeis que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.
Ou pensais que em vão diz a escritura: O Espírito que ele fez habitar em nós anseia por nós até o ciúme?
Todavia, dá maior graça. Portanto diz: Deus resiste aos soberbos; dá, porém, graça aos humildes.
Sujeitai-vos, pois, a Deus; mas resisti ao Diabo, e ele fugirá de vós.
Chegai-vos para Deus, e ele se chegará para vós. Limpai as mãos, pecadores; e, vós de espírito vacilante, purificai os corações.
Senti as vossas misérias, lamentai e chorai; torne-se o vosso riso em pranto, e a vossa alegria em tristeza.
Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará.
Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem fala mal de um irmão, e julga a seu irmão, fala mal da lei, e julga a lei; ora, se julgas a lei, não és observador da lei, mas juiz.
Há um só legislador e juiz, aquele que pode salvar e destruir; tu, porém, quem és, que julgas ao próximo?
Eia agora, vós que dizeis: Hoje ou amanhã iremos a tal cidade, lá passaremos um ano, negociaremos e ganharemos.
No entanto, não sabeis o que sucederá amanhã. Que é a vossa vida? Sois um vapor que aparece por um pouco, e logo se desvanece.
Em lugar disso, devíeis dizer: Se o Senhor quiser, viveremos e faremos isto ou aquilo.
Mas agora vos jactais das vossas presunções; toda jactância tal como esta é maligna.
Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado.

sexta-feira, setembro 22, 2006

Objectividade científica...

Inteligente ou experiente?
Inteligente, experiente ou instruído?
Inteligente, experiente, instruído ou interessado?
Inteligente, experiente, instruído, interessado ou manhoso?

Deviam existir réguas de cálculo para os adjectivos...

quinta-feira, setembro 21, 2006

Herança genética










O regresso aos temas mais metafísicos da biologia acutila o meu espírito inquisitivo. Extrapolando as dissertações de Darwin para o infinito, à boa maneira dos movimentos carismáticos, deduz-se que a humanidade está a perder a inteligência. Desenganem-se aqueles que acham que o cérebro nos vais crescer até sermos como os bichos de Roswell.
No fascinante nicho ecológico do IST, devidamente enquadrado no post “À margem da taxonomia” esta dedução torna-se particularmente evidente. Não é que duvide da competência intelectual dos entes que constituem este ecossistema, a minha dúvida está na competência que têm para transferir os seus genes à geração seguinte.

A malta das artes é que a leva... (ou melhor), é que as levam...

quarta-feira, setembro 20, 2006

Ser benfiquista

Não poucas vezes, dou comigo a tentar perceber porque sou do Benfica. Na falta de uma razão melhor, suponho que, como não me lembro de ter optado por este ou aquele clube, só pode ser um problema de nascença. Nasci assim. Inteligente, bonito e, para compensar, benfiquista. Há quem nasça com o rabo* virado para a lua e depois há os infelizes dos benfiquistas. É um facto. Por isso, tenho para mim que, não fosse Adão ter comido a maça, todos seriam da Académica e felizes.

Ser do Benfica, tal como o género sexual, não se escolhe. Está predestinado. Quanto muito, revoltados, podemos nos travestir em outra coisa qualquer. E há razões para isso, pois ser do Benfica há muito que não envaidece nem dá genica. Pelo contrário. Bastava que um Aladino qualquer concedesse a um benfiquista um desejo futebolístico para rapidamente optar por um clube mais decente, como o belenenses ou assim.

Ser do Benfica é uma convicção romântica - é ter na alma uma chama imensa que nos consome e sei lá mais o quê - que pouco tem que ver com desporto ou futebol. Por isso perdura. Porque se fosse pelo qualidade do futebol praticado nem seis benfiquistas haveriam, quanto mais seis milhões. Pode-se gostar muito de futebol mas, um benfiquista, gosta muito mais do Benfica. Futebol sem Benfica é como ciclismo. Mas menos interessante. Benfica sem futebol é o dia-a-dia. Jogo-a-jogo.

Este ano está mais que visto que, impossibilitados de escolher os árbitros, nem a taça da amizade ganhamos. A ver pelos últimos jogos, que eu não vi, bem podem os nossos rivais, se é que os há neste nosso Portugal, ficarem preocupados com o Paços de Ferreira e tal. Aliás, só vejo futebol na televisão, tal como hóquei patins ou esgrima, quando o Benfica joga. Mas, como o Benfica não tem jogado nada, tenho me dedicado mais ao ciclismo e isso.

Afinal, o que se poderia esperar de umas papoilas saltitantes, ainda por cima, vestidas com camisolas berrantes?

O efeito da alma II



Sara, Bruna e Shirley

terça-feira, setembro 19, 2006

O efeito da alma

Este fim-de-semana efectuámos a seguinte experiência:
Trouxemos para casa três crias de Homo sapiens para juntar aos outros três mamíferos residentes: Canis lupus, Felis silvestris e Mustela furus.
Escolheram-se os hominídeos de forma representativa: Shirley (6 anos) das ilhas africanas, Sara (7anos) da América do sul e Bruna de (8 anos) da península Ibérica.

As minhas observações de campo levam-me a concluir que possuir uma alma potencia de sobremaneira o poder destrutivo de um mamífero.

segunda-feira, setembro 18, 2006

De regresso à vidinha

Convencido de que tenho de trabalhar para comer e de que as férias já lá vão, afundo-me nos papéis, livros e planificações do próximo ano lectivo. A preguiça insiste em manter-se em níveis altíssimos. A muito custo lá vou perdendo o hábito de não fazer nada e apercebendo-me de que estou de volta à vidinha.

Enquanto isso, fica a sugestão do blogue de um escritor português no Brasil que, por acaso, morou muitos anos no meu prédio. Vale bem a pena passar por lá.

domingo, setembro 17, 2006

Valores mais altos

Há muitas razões para repudiar a xenofobia mas uma é particularmente forte, a gastronomia.
Povos do mundo que gostam de comer bem juntem-se aos portugueses! Não há animosidade ou desconfiança que resista a uma boa almoçarada pluriétnica!

sexta-feira, setembro 15, 2006

O diálogo de surdos-cegos

Confesso que sinto algum embaraço em usar no mesmo parágrafo dois conceitos tão dispares como criação e evolução, sinto que é como comparar ferraris com ceifeiras debulhadoras.
Dizer que Deus criou o mundo e o que nele há, é uma preposição lógica e intemporal. É uma expressão equivalente a dizer que é Deus que nos dá o ar que respiramos, que é Deus que nos livra do mal, que é Deus que nos dá o pão de cada dia, etc.
O que seria grotesco era alguém retorquir a um profeta que não foi Deus que lhe deu o pão mas sim o padeiro!

quinta-feira, setembro 14, 2006

Shakira Pop Star e Morgan FreeCat


Já andavam por aqui há mais de 1 ano, resolvemos pedir a custódia.. tentamos que a Luna (canídeo) os distraia para a Kelvin (felino) não lhes fazer mal!

segunda-feira, setembro 11, 2006

A feira

Observo as sugestões de leitura do meu colega editor e reconheço o seu esforço, meritório, por trazer a feira até este blogue.
Evolucionismo ou criacionismo… já consigo ouvir os carrinhos de choque e o caravanista que vende conjuntos de banho.
Um post cheio de saudosismo, que saudades das propagandas da Guerra Fria…

sábado, setembro 09, 2006

A vida é chata

Após um longo período de cativeiro laboral dou por mim a consumir séries televisivas.
Estou deprimido!
Tenho a sensação de que enquanto os meus dias se extinguem em frente ao televisor, existem pessoas a acumular feitos heróicos de puro altruísmo.
Num intervalo, levanto-me determinado a transformar o mundo, observo os mamíferos escarrapachados nos mosaicos frescos do hall e escuto aquele silêncio que só é possível nas ondas de calor. Mas não desanimo, afinal corre nestas veias o fluido daqueles que estão destinados a reformar a humanidade!
Numa incursão a “Agent Bauer” encontro uma lista de tarefas que a providência me deixou:

Mudar a lâmpada da entrada,
colocar os apliques na parede,
cortar a relva
envernizar os barrotes do telheiro.

Preciso de uma espada, preciso de uma espada afiada URGENTEMENTE!

sexta-feira, setembro 08, 2006

Leituras e Sugestões

//Evolucionismo ou Criacionismo? {Origem das Espécies}

"Deus, Jeová, pessoa terrível de péssimo feitio, decidiu um dilúvio. Encomendou a Noé a conservação das espécies (evolução das espécies? Salvo seja). Noé fez o melhor que podia, a rechear a arca animalesca. Tenho grande admiração por este ambientalista “avant la lettre”, mas, coitado, esqueceu-se de milhares de insectos, de bichos esquisitos que ainda aparecem hoje, como um recente bovino ignoto do Vietname. Também de coisas estranhas de que Jeová não lhe tinha prevenido, como os triliões de trilobites, as bactérias termófilas das caldeiras da minha terra e até o vírus da Sida. Tudo coisas que, evidentemente, Jeová tinha criado, num só dia, uns tempos antes, há cerca de cinco mil anos. É óbvio, portanto, que a narrativa do dilúvio é perfeitamente inaceitável. Se for real, então Jeová teve depois um segundo momento de criação. Qualquer das coisas mostraria erros da Bíblia. Então, porque é que não será também errada a narrativa da criação? (...)" {in A Destreza das dúvidas}

"De facto, a Igreja precisa arranjar uma história que contemple a evolução, completamente impossível de negar - mesmo o mais ignorante dos créus sabe que o vírus da gripe evoluiu, especialmente agora em que todos esperam o que os acasos da evolução fazem ao vírus da gripe das aves - e negue o evolucionismo. A penas de ir perdendo clientes já que, à luz do conhecimento científico actual, os mitos cristãos são cada vez mais implausíveis e é necessário um grande esforço de dissociação para conseguir ser-se cristão e simultaneamente minimamente esclarecido cientificamente. E a Igreja sabe que acima de tudo precisa de arranjar uma forma «airosa» de alimentar os mitos sem alienar os seus clientes cientificamente mais cultos (...)" {in Diário Ateísta}

"quando escrevi “criacionismo” o Word sublinhou a palavra a vermelho. Carreguei de imediato no botão direito do rato para descobrir onde tinha errado na ortografia e então, com espanto, descobri que “criacionismo” e “criacionista” não fazem parte do vocabulário do processador de texto mais difundido do planeta (...)" {in Small Church}

"Vamos aguardar para ver o que decidem acerca do lugar de onde viemos (...)" (?)

//Uma espécie em vias de extinção {Pranto e Ranger de Dentes}

"Hoje estamos todos embaraçosamente mais iguais: pentecostalizados, abrasileirados, desprovidos de uma centelha de personalidade própria. E o problema é a cor parda das meias tintas: tentamos cantar com o fervor da Assembleia de Deus mas assustamo-nos com o êxtase (...)"

"Os nossos irmãos brasileiros estão em dívida para connosco desde que nos trouxeram esse inominável cântico que versa: "rompendo em fé/ com ousadia vou mover no sobrenatural". O melhor dueto que já ouvimos das bocas da iliteracia e da ignorância teológica (...)"

//Que seca {Restos de Palavras}

"Uma das coisas mais supreendentes no contexto evangélico é a facilidade com que se finge. A arte de representar é um dos dons mais evidentes entre os cristãos dentro e fora da Igreja. As pessoas fingem que amam, que perdoam, que esquecem, que são amigos, que oram, que cantam, que ouvem, que estão alegres, que está tudo bem (...)"

quinta-feira, setembro 07, 2006

durante as férias também ...


desencaminhamos algumas figuras ilustres :)

Só se vê o que se quer ver

Num dos muitos, mas sempre únicos, momentos de contemplação de mim próprio, desta vez frente ao espelho, verifico que a acção da melanina produziu em mim, desculpem-me a imodéstia, um apresentável e bonito bronzeado. Espantam-me, por isso, as insinuações a propósito do envelhecimento precoce da pele e os comentários sobre o acentuar das minhas eventuais rugas.

Numa observação menos atenta, e com alguma má vontade, pode-se de facto, passado algum tempo, encontrar na zona dos meus olhos alguns riscos na pele de tom mais claro. Mas daí a confundi-los com rugas vai uma distância como daqui, sei lá, até à Foz do Arelho. O melhor é que nem rugas de expressão são. Aliás, parece-me evidente que, sem muito esforço, facilmente se pode concluir que tais riscos na pele só podem resultar de uma disforme exposição solar, consequente do facto de não usar óculos de sol na praia e, por isso, involuntariamente, enrugar a cara aquando a exposição da minha bela carcaça ao sol. Que fique claro.

No esplendor dos meus vinte e alguns anos, poderei assim, com relativa à vontade, reduzir tais comentários a simples sentimentos primários de inveja - note que, a inveja não é querer o que o outro tem (isso é cobiça), mas sim querer que o outro não tenha. E não me venham com as desculpas da ilusão de óptica e não sei quê, senão vou ter que me armar em carapau de corrida com explicações sobre a reflectância real dos objectos e sobre a instabilidade dos estímulos visuais. Até porque, como estamos fartos de saber, a percepção que temos das coisas é em grande parte auto-produzida. Isto é, o que vemos é sempre, em certa medida, uma ilusão. Mas isso, vão-me desculpar, já são outros quinhentos.

terça-feira, setembro 05, 2006

quero mais...

Às vezes sou atacada pelo pensamento de que os outros que viajam e passam férias em estâncias túristicas é que têm sorte.. mas agora que estou de regresso e olho para as minhas 2 semanitas de ócio, até me sinto priveligiada, abençoada: estive com amigos a acampar 3 dias e o camping até tinha uma piscinazita, visitei Sagres e o porto lindissimo, estive na Zambujeira e visitamos as imponentes praias da região, estivemos com tios, primões, primos e priminhos, com mais amigos desta vez do Algarve e fizemos canoagem quase todos os dias, divertimo-nos imenso com as histórias uns dos outros, a Luna andou sempre connosco, dentro e fora de água.. só tenho pena de não termos tirado uma única fotozinha que fosse.. com o reboliço todo não houve tempo!! mas podem ver aqui que a Flá não se importa..